O que comer e o que evitar para ter um coração mais saudável.

São tantos estudos dizendo o que faz bem ou não faz ao coração que é normal ficar confuso com as informações. Pensando nisso, pesquisadores do Colégio Americano de Cardiologia decidiram fazer uma meta-análise das pesquisas já existentes sobre os prós e contras de alguns alimentos na prevenção de doenças cardiovasculares.

Alimentos adicionar à dieta

Além de ajudarem no emagrecimento, leguminosas como feijão, grão-de-bico, lentilha, ervilha, soja, e amendoim diminuem os níveis de colesterol e reduz os riscos de doença do coração e hipertensão. “Legumes são acessíveis e uma rica fonte de proteína”, diz Freeman.
Mas a verdadeira boa notícia é que o café foi associado a um risco reduzido de morte por qualquer causa, bem como a morte por doença cardíaca. Não foram encontradas ligações entre o consumo da bebida e o risco de pressão alta.
Alguns estudos sugeriram que o chá preto e o verde, quando consumidos sem adição de laticínios, açúcar ou adoçantes, também podem contribuir para um coração saudável.
Segundo Freeman, apesar de não existir um padrão alimentar perfeito para prevenir doenças cardíacas, a maioria das evidências reforçam a ideia de que uma dieta predominantemente baseada em vegetais, com menos gordura, açúcares adicionados, sal, alimentos processados ​​e produtos de origem animal limitados beneficia a saúde do coração.

Alimentos que é melhor evitar

Embora alguns estudos sugerissem que laticínios com baixo teor de gordura podem reduzir a pressão arterial, os pesquisadores descobriram que esses alimentos também podem elevar os níveis de colesterol “ruim”, fraturas e risco de morte por qualquer causa. A explicação seria porque os laticínios são ricos em gorduras saturadas e, no caso de alguns queijos, em sal. Por esse motivo, o ideal seria consumir esses alimentos com cautela.

Fonte: Portal UOL

Apesar de calórico, abacate ajuda a regular o colesterol.

No Brasil há mais de cem tipos de abacates, o que garante uma alta produção da fruta o ano todo. Porém, a fama de que seja engordativa faz com que não seja um sucesso de público por aqui. Isso sem contar que muitos acham que sua “gordura” pode fazer mal ao coração. Mas o abacate está longe de ser um vilão.

“O abacate possui gorduras benéficas. Se consumido de forma correta, ajuda a regular os níveis de colesterol, diminuindo o LDL, o chamado colesterol ruim”, afirma a nutricionista Daísa Pinhal da Oba Hortifruti.

O nutrólogo Carlos Alberto Werutsky, da Abran (Associação Brasileira de Nutrólogos), alerta: quem faz controle de peso precisa reduzir a ingestão de calorias. Dentro dessa proposta, o abacate pode ser um vilão, pois seu teor de gordura é alto.

“Já quem não tem restrição pode consumir a fruta diariamente, pois sua gordura é insaturada, aquela que faz bem”, conta o médico. Ele explica que o abacate tem por volta de 9 calorias/grama e que se pode consumir um pequeno ou meio por dia, desde que haja restrição de outros alimentos calóricos.

Alguns nutricionistas defendem que é melhor comer o abacate à noite, para se obter mais benefícios. Os especialistas ouvidos pelo UOL, porém, dizem que o horário da ingestão não faz diferença.

Qualidades

A nutricionista acredita que consumir um quarto da fruta por dia é suficiente para se obter os benefícios: “O abacate é rico em fibras alimentares e fonte de ácido fólico e vitamina C. Também possui carotenoides, ubstâncias antioxidantes benéficas à saúde, e gorduras insaturadas”.

Apesar de a banana levar a fama, o abacate possui um teor de potássio bem maior. Porém, a nutricionista frisa que pessoas com problemas renais devem evitar alimentos ricos deste macromineral.

Prisão de ventre, flatulências, perturbações digestivas, gota reumatismo, afecções dos rins, da pele, do fígado. Tudo isso pode ser evitado ao se consumir abacate, explica o  farmacêutico Rafael Martins Xavier.

Ele conta que as cascas da fruta são vermífugas, sendo também úteis para o tratamento de hemorragias e disenterias. Já o chá de folhas da fruta é um excelente diurético.

“Considerado uma rica fonte de folato, vitamina A e potássio, o abacate tem mais proteína que qualquer outra fruta, cerca de 2 g para cada porção de 110 g. Possui, ainda, quantidades úteis de ferro, magnésio e vitaminas C, E e B6”.

Fonte: Notícias UOL

Quem prefere vinho vive mais

Estudos apontam que o consumo moderado traz benefícios à saúde.

Um estudo publicado na revista Food and Function resolveu analisar as variáveis que sempre são questionadas quando se vincula o consumo de vinho e seus benefícios à saúde. Depois de analisar padrões de consumo, eles chegaram a algumas conclusões importantes. A principal delas é que o consumo moderado, juntamente com as refeições, maximiza os benefícios.

Segundo os autores, liderados por Mladen Boban, da Universidade de Split, na Croácia, o abuso de álcool é a terceira maior causa de morte na Europa, mas a moderação mostrou que é capaz de diminuir as taxas de mortalidade. Analisando estudos anteriores, eles avaliaram sete padrões de consumo – “moderado”, “espalhado durante a semana”, “pouco consumo de destilados”, “preferência por vinho”, “vinho consumido às refeições” e “evitar o consumo excessivo”.

Eles concluíram que os que preferem vinho têm uma taxa de mortalidade menor em relação a quem prefere cerveja ou destilado. Eles também verificaram os efeitos cardioprotetores do vinho quando consumido com comida – apesar de pessoas que já possuem hábitos de alimentação saudáveis terem poucos benefícios se unirem o consumo de álcool à dieta. E, quando isso ocorre, costuma ser pelo vinho.

Fonte: Revista Adega